MAGALHÃES, Lívia. Lugar de Mulher.jpg
MAGALHÃES. Lugar de Mulher (1).jpg
MAGALHÃES. Lugar de Mulher.jpg

Lívia Magalhães

Professora adjunta do Departamento de História e do Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal Fluminense. Possui doutorado em História Social pelo Programa de Pós Graduação em História, UFF e mestre em Estudos Latino-americanos pelo Centro de Estudos Latino-americanos, UNSAM (Argentina). Pós-Doutora em História pela Unimontes/MG (Bolsista Capes 2014-2016) e pela Universidade de Paris-Est Marne-la-Vallée (Bolsista Capes dezembro 2017- março 2018).

CURRÍCULO LATTES

Linhas de pesquisa: 

História e representações

Corpo, maternidade e sexualidade

Temas de interesse:

História do Tempo Presente do Brasil e a América Latina, com ênfase em ditaduras e regimes autoritários; História do Esporte, especialmente do futebol; Relações de gênero no Brasil e América Latina contemporâneos.

Publicações: 

Livros: 

MAGALHÃES, Livia G (org.). Lugar de Mulher: feminismo e política no Brasil. 1ed. Rio de Janeiro: Oficina da Raquel, 2017.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Capítulos de livros:

MAGALHÃES, Lívia G. Introdução. In: MAGALHAES, Livia G..(Org.). Lugar de Mulher: feminismo e política no Brasil. 1ed.Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2017, v. 1, p. 7-.

CARDOSO, Erika N; MAGALHÃES, Lívia G. Nem santas nem putas: estigmas comportamentais e violência de gênero. In: MAGALHAES, Livia G.. (Org.). Lugar de Mulher: feminismo e política no Brasil. 1ed.Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2017, v. 1, p. 47-.

 

Artigos:

MAGALHÃES. Lívia.  "Não se nasce mãe, não se nasce filho: torna-se": reflexões sobre feminismos, maternidade e adoção no Brasil contemporâneo. In: CARLONI, Karla. FORTES, Carolina. (orgs). Mulheres tecendo o tempo: experiências e experimentos femininos no medievo e na contemporaneidade. Curitiba: CRV, 2020.

Revistas:

MAGALHÃES, Lívia G. La democracia se pone las faldas: el avance femenino en las presidencias del cono-sur. Revista Latinoamericana de Desarrollo Humano PNUD - ONU, 10 nov. 2009.

Periódicos:

MAGALHÃES, Lívia G. Mulheres e o golpe, um ano depois. Mundo em Transe, v. 1, p. 1, 2017.

Disponível em: https://www.mundoemtranse.com.br/index.php/2017/08/31/mulheres-e-o-golpe-um-ano-depois/ 

Projetos em Andamento:

2018 - Atual

Feminismo e História no Brasil: debates, disputas e projetos

Descrição: Este projeto propõe como objeto de reflexão as diversas abordagens historiográficas sobre o feminismo no Brasil republicano. Tradicionalmente, divide-se o movimento feminista em “ondas”: a primeira, mais conhecida como sufragista, tem como recorte cronológico o final do século XIX até as primeiras décadas do século XX, com conquistas políticas e relativas à vida pública (principalmente o direito ao voto); a segunda, a partir do final da década de 1960, foi mais marcada por lutas de liberação sexual e por igualdade no mercado de trabalho; a terceira onda, ao final da década de 1980, está vinculada ao neoliberalismo e a micropolítica, e no caso de alguns países, como o Brasil, também à redemocratização; finalmente, a quarta onda pode ser contextualizada a partir da década de 2010, no contexto das novas tecnologias com a Internet e a proliferação de redes sociais virtuais. Esta divisão é marcada por questionamentos e problemáticas: em primeiro lugar, parte de uma referência eurocentrista. Além disso, desconsidera a pluralidade de movimentos dentro do que se considera “feminismo”. Hoje, vivemos uma pluralidade de vertentes e debates sobre o feminismo, em coletivos, partidos políticos, etc. A proposta deste projeto é relacionar tais ações com o campo acadêmico e fazer um levantamento bibliográfico, a partir do qual derivaremos para um debate em torno da historiografia sobre o tema, recuperando uma trajetória de análise e estudos muitas vezes esquecida nos debates cotidianos.

Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.